As Implicações da Indústria 4.0 para a Profissão de Auditor

O cenário actual, social e económico, tem-se mostrado cada vez mais dependente das tecnologias da informação, não só pelas várias facilidades que fornecem, mas também pela dinamização de processos, como a redução da intervenção humana nesses processos. No entanto, embora estas tecnologias impliquem elevados custos de implementação e manutenção, reduzem o risco de erro humano, bem como a manipulação fraudulenta de dados, que pode ser mais dispendiosa para as empresas do que estas tecnologias, porque a magnitude do erro ou da fraude não pode ser imediatamente medida de forma exata.

A tecnologia influenciou profundamente a evolução da profissão de auditoria. As tecnologias desenvolvidas com a Indústria 4.0 (I4.0), como blockchain, big data, Internet of Services (IoS), entre outras, vão mudar drasticamente o actual modelo de negócio e a sociedade em geral, pelo que as empresas devem adaptar-se a esta rápida mudança no ambiente actual.

Assim, e com base nestes pressupostos, foi realizado um estudo num contexto de trabalho real - trabalho de campo na RSM Moçambique - com o objectivo de analisar o impacto das novas tecnologias da I 4.0 na profissão de Auditoria.

“O desenvolvimento tecnológico resultante da I4.0 está também a afectar a profissão de auditoria. Se, por um lado, as novas componentes tecnológicas da I4.0 demonstrarem como a sua implementação pode facilitar o trabalho do auditor e melhorar o processo de tomada de decisão na gestão empresarial, por outro, exigem novas competências e conhecimentos para o exercício profissional”.

A I4.0 é definida como o desenvolvimento tecnológico de sistemas incorporados a sistemas ciber-físicos inteligentes que ocorreram na indústria (Hamid et al., 2022). Combina a integração de tecnologias digitais, como robótica avançada, Inteligência Artificial (IA), sensores, computação em nuvem, Internet das Coisas (IoT), análise e classificação de big data, produção de aditivos e dispositivos móveis, entre outras tecnologias digitais, numa cadeia de valor global que é interoperável e partilhável, independentemente da localização geográfica (Lin et al., 2018); Gallab et al., 2021).

É uma revolução que permite a aplicação de tecnologias avançadas na produção de topo para trazer novos valores e serviços aos clientes e à própria organização (Khan e Turowski, 2016). Desta forma, isso aumentará a flexibilidade da cadeia de valor existente, maximizando a transparência da logística de entrada e saída, produção, marketing e todas as outras áreas de negócio na entidade, como a contabilidade, jurídica, recursos humanos, entre outras (Dai, 2017).

A aplicação da tecnologia I4.0, para além das desvantagens, como os elevados custos de implementação e uma estrutura limitada e cultura corporativa, trouxe benefícios às organizações. Nomeadamente: melhora a qualidade do produto; melhora a tomada de decisão; reduz os custos operacionais e aumenta a produtividade; poupa recursos naturais; requer novas competências; reduz o número de erros; e melhora a personalização do produto (Gallab et al., 2021).

A transformação digital abriu novas oportunidades e a auditoria vai beneficiar da tecnologia promovida pela I4.0, com destaque para a IoT, IoS, SCF e "Smart Factorys" para obter informações financeiras e operacionais, bem como outros dados relacionados com auditorias de uma organização e partes relacionadas. Estas ferramentas impulsionam uma análise de dados mais integrada, identificação de anomalias e extração de outras informações úteis para fornecer eficiência e eficácia ao trabalho do auditor (Dai & Vasarhelyi, 2016). A sua utilização fez com que o esforço do auditor reduzisse, desde a análise da informação até ao cálculo. Estes autores argumentam que a auditoria será uma sobreposição dos processos de gestão de negócios I4.0.

Por exemplo, dada a rapidez com que o trabalho de auditoria pode ser feito, um único auditor pode completar várias tarefas de auditoria num curto espaço de tempo (Nwachukwu et al., 2020). Como tal, não haveria necessidade de contratar novos. A implicação aqui é que a experiência prática acabará por faltar em muitos novos auditores. Assim, muitas empresas estão em certa medida a mudar as políticas de recrutamento, colocando uma maior ênfase nas competências digitais sobre as competências financeiras na contratação de novos trabalhadores. No entanto, a escassez de competências necessárias significa que alguns departamentos de auditoria são actualmente obrigados a subcontratar determinadas atividades relacionadas com a digitalização. Estas barreiras ao uso destas ferramentas enfatizam a necessidade de aquisição de competências digitais para compreender como as novas tecnologias funcionam e o seu potencial impacto nas funções de auditoria (Betti &Sarens, 2021).

É visível no trabalho de campo que poucas empresas são auditadas pela geração 4.0, por uma variedade de razões. Hoje em dia, os trabalhos de auditoria não podem depender apenas do processo manual, mas sim de técnicas de auditoria com ajuda informática, que apoiam e facilitam o trabalho de auditoria e o auditor, tornando-o mais eficaz e eficiente. No entanto, corroboramos com Asif et al. (2022) que em muitos países e empresas a aplicação da I4.0 em auditoria está na sua infância, na geração de auditoria 2.0 e 3.0 (ver, Karapinar, 2021). Embora os mesmos autores acreditem que as tecnologias subjacentes a I4.0 podem melhorar a autenticidade, a eficácia e a relação custo-benefício da auditoria a longo prazo.

O trabalho de campo demonstrou que a I4.0 melhorará a qualidade da auditoria e abrirá um novo horizonte para as empresas de auditoria adaptarem os seus métodos e processos de trabalho e desenvolverem as suas ofertas de serviços, como constatou a Elommal e a Manita (2022).

Mas se, por um lado, os avanços tecnológicos tiveram um grande impacto sobre os sistemas de informação, provocando alterações nos processos operacionais e de gestão das organizações, especialmente na forma como a informação financeira é tratada, por outro lado, as novas tecnologias fornecidas pela I4.0 tornaram a profissão de auditoria mais dinâmica, permitindo uma análise avançada e de maior escala da informação financeira, com o objectivo de identificar inconformidades em tempo real. Situações que só foram vistas com a utilização de amostras, onde a credibilidade dos resultados podem ser relativamente baixos.

A tecnologia cobrirá todo o trabalho realizado pelo auditor, mas não será suficiente. Há vários fatores no universo humano que não podem ser matemáticos. Ou seja, não há como definir um modelo para elementos como as relações sociais, sentimentos e até mesmo o próprio pensamento, que são cruciais para a profissão de auditoria, como o julgamento profissional e a sensibilidade para verificar alguma anomalia.

Com este trabalho foi também possível compreender que a transformação digital e a utilização de novas tecnologias fornecidas pela I4.0, além de auxiliar a gestão, são úteis na definição dos controlos internos da entidade, na melhoria dos processos de tomada de decisão de forma oportuna, na redução da duração dos procedimentos de auditoria e, principalmente, na automatização de processos, nomeadamente em contextos de trabalho remoto/teletrabalho nesta nova era. No entanto, o digital a transformação e a utilização das novas tecnologias fornecidas pela I4.0, além de servirem de auxílio à gestão e ao profissional de auditoria, não substituem o homem no seu social, sentimental e pensar relações, que são aspetos cruciais para a profissão de Auditoria.

Veja o artigo completo aqui: the_implications_of_industry_4.0_for_the_auditing_profession_1.pdf

Lindiwe Nika Zimba

Auditora

Author(s)

COMO PODEMOS AJUDÁ-LO?

Contacte-nos pelo telefone +258 844 141 138 ou envie-nos as suas questões, comentários ou pedidos de propostas.

CONTACTE-NOS